Todo jornalista investigativo precisa de “O Informante”

O filme de hoje é baseado em fatos reais e um clássico para os estudantes de jornalismo. O Informante (1999), recebeu sete indicações ao Oscar e 21 prêmios internacionais. O longa metragem conta a história de um duelo entre mídia, verdade e poder.

Dois profissionais, um químico e um jornalista, estão determinados a divulgar publicamente as informações sobre efeitos causados pelo cigarro fabricado por uma das maiores indústrias americanas, que acrescentou aditivos químicos a sua fórmula, que acentuam características de vício. Jeffrey Wigand (Russell Crowe), responsável pelos dados, aceita participar de um programa de televisão, para contar tudo o que sabe a respeito da poderosa indústria do tabaco. Porém, Jeffrey repensa sua decisão, quando ele e sua família passam a receber ameaças. O produtor Lowell Bergman (Al Pacino), da rede norte-americana CBS, é o responsável pela escolha das notícias divulgadas, que se forem ao ar, podem resultar em processos jurídicos desastrosos ao canal.

Alguns dos questionamentos levantados pelo filme, sobre o jornalismo são: quem define o que é notícia? Até que ponto existe o compromisso com a verdade? Quais riscos valem a pena correr no meio jornalístico? Até onde os interesses comerciais dos meios de comunicação influenciam nas notícias? Qual o limite de insistência para que uma fonte revele informações? Vale a pena qualquer coisa em busca de uma matéria impactante? Esse é um filme para estudantes de jornalismo e profissionais refletirem sobre as fragilidades e limites do trabalho da imprensa.

Gostaria de ler mais críticas e opiniões sobre o filme?
Adoro Cinema 
Observatório da ética jornalística
Cineplayers

Bom filme!

Valeska Migotto
ACI/UNITAU

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *