Aumento dos preços afeta comerciantes em Campos do Jordão

A situação do preço das mercadorias no Brasil vem piorando desde 2018 e se agravou muito com a pandemia, agora com a retomada parcial de quase tudo nota-se como isso vem afetando os comerciantes locais de Campos do Jordão, a alta do dólar, da inflação, o aumento do combustível em ate 40% dada pela PPI e o aumento dos alimentos em geral vem fazendo os comerciantes sofrerem em seu estabelecimento e como cidadãos.

“Houve um aumento muito grande da nossa mercadoria, todo dia que a gente ia o preço estava maior, a gente teve que aumentar o preço também, 1 real que você aumenta o povo já acha muito caro e para de comprar” disse Vinicius Minamissawa um dos donos de um carrinho de churros que fica em um bairro central da cidade ele também falou sobre seu lucro “ diminuiu muito o movimento do carrinho, antes disso a gente tinha muito movimento, agora tem dias que a gente não tem nem o pagamento por que está muito fraco”, podemos perceber que o aumento dos preços interfere no comerciantes desde a compra de mercadoria até a revenda do produto.

Aumento dos preços afeta comerciantes em Campos do Jordão – Foto: Iago Luca

“com o aumento da inflação as coisas ficam muito mais caras ai a gente vai mudando, ou muda de marca ou trabalha com um estoque menor, a gente sempre tenta comprar da mesma marca e mudar o local de compra para não perder a qualidade, houver muito aumentos de preços abusivos” essa foi uma das falas de Eliomar Resende dono de uma sorveteria em Campos do Jordão, “ a gente conseguiu absorver até um certo ponto, mas tem uma hora que não da mais e tem que ser repassado para os clientes, infelizmente tivemos que mexer no cardápio, teve produtos que já tivemos 2 aumentos nesses últimos 2 3 meses, não da mais pra segurar, chega uma hora que ou você faz ou você quebra”, ele falou um pouco sobre a perda de clientes, “com certeza afetou a frequência da clientela, antes recebíamos família hoje não mais, a frequência de vinda diminuiu também antes vinham duas vezes por semana agora 1 a cada 15 dias por exemplo”

O tipo de pagamento foi algo mencionado por eles na entrevista também “ os pagamentos a gente abrangeu tudo, pix, cartão de credito, debito, caixa tem e pensei em até abrir o Pic Pay “ disse Vinicius sobre o carrinho de churros que só aceitava dinheiro, “ o tipo de pagamento mudou, antes recebíamos mais em espécie, hoje quase dobrou as vendas em cartão” falou Eliomar sobre tipo de pagamento, em suma sabemos que a pandemia e o aumento da inflação fora os diversos problemas que causam isso afetam toda nossa população em geral, parece que não tem margem para melhora, o valor base da cesta básica esta acima dos 600 reais e a projeção é de aumento, a associação Brasileira de proteína animal (ABPM) no começo de agosto estimava aumento nos preços das carnes devido ao aumento do dólar, da energia elétrica e do combustível, “ a gente não tem muito o que fazer tem que ir trabalhando lutando daqui corre dali pra sobreviver mesmo” por fim essa frase de Eliomar que exemplifica a vida de muitos brasileiros a luta pra sobreviver.

Iago Luca

 

*conteúdo produzido pelos alunos do 2º semestre de jornalismo para a disciplina fotojornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *