Skate passa a ter maior visibilidade após olimpíadas

Depois de marcar presença nas olímpiadas, o skate tem sido popularizado cada vez mais entre a população. Entre proibições e aclamações, o esporte conquista cada vez mais espaço no coração das pessoas.

O skate tornou-se um esporte oficial nos anos 2000, com a criação da Confederação Brasileira de Skate (CBSk). Segundo o Datafolha, naquela época já havia mais de 2,7 milhões de skatistas no país. A partir disso, pistas de skate foram construídas em diversas cidades do Brasil, facilitando o treino de milhares de atletas. Com a consolidação do esporte, o Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou que a modalidade iria fazer parte dos Jogos Olímpicos, a partir de Tóquio 2020.

Na primeira edição da competição, Kevin Hoefler, de 27 anos, e Rayssa Leal, de 13 anos, trouxeram medalhas de prata para o Brasil. “Eu pude ver que o skate é importante e pode mudar vidas. O mais incrível é ver que até uma menina de 13 anos pode ganhar um campeonato mundial de skate, e isso mostra que qualquer um pode ter essa chance”, comenta Henrique Braga Lopes, de 15 anos, praticante do esporte.

A importância de ter o esporte como modalidade olímpica é mostrar à população que o skate é um esporte real, algo sério. “O skate, ao fazer parte das olimpíadas, passa a ter maior visibilidade dentro da sociedade. Patrocinadores e apoiadores deste esporte certamente passam a investir mais na modalidade, fazendo com que sejam oferecidas muito mais oportunidades e meios para que o esporte ganhe novos adeptos e praticantes”, explica Daniel Winkler, professor de Educação Física.

O professor também explica o porquê da má popularidade do esporte na sociedade. “Por sua popularidade entre os jovens, infelizmente o skate acaba sendo associado a atitudes erradas que muitas vezes são tomadas pelos mesmos, como, por exemplo, o uso de drogas, vandalismo e brigas. Este tipo de visão acaba manchando a imagem de um esporte que muda a vida de tantas pessoas. Atualmente, com o crescimento e a popularização do skate como um esporte sério e moderno dentro dos meios de comunicação, o modo como ele é visto está mudando para melhor, o que agrega muito à modalidade”, declara.

Vincenzo Eppi Pereira, atleta de 17 anos, fala sobre a mudança no tratamento depois das Olimpíadas. “É fato que ficou mais tranquilo andar em alguns lugares. Na pracinha que eu ando com o pessoal, tinha uma moça que sempre pegava no pé e enchia o saco de todo mundo, uma vez ela postou foto no Facebook da gente andando e falando que nós estávamos estragando os equipamentos da academia. Depois das olimpíadas acabou mudando a visão da grande maioria, mas, é claro, também, aumentou muito a quantidade de pessoas que começaram a andar de skate, aí acaba sendo bem difícil não ter que aturar os skatistas”.

O esporte tem uma influência muito positiva na vida dos jovens, que aprendem lições que são levadas para a vida. “Eu pratico o esporte há um ano, e o skate é algo muito importante na minha vida, desde ser diversão, algo pra descontrair, a uma coisa que me mantém de cabeça alta. Também me ensinou a nunca desistir de algo por ser difícil, e sempre tentar melhorar algo que eu já conheço”, conta Rafael de Lima Ribeiro, de 18 anos. Luís Felipe Ventura Cardoso, de 15 anos, concorda: “O skate mudou muito a minha vida, fiz novas amizades e tenho novas motivações a cada dia. O que eu gosto do skate é a comunidade, porque nesses oito meses que pratico o esporte, sempre fui muito bem vindo por tudo e por todos”.

Giovana Vasconcelos

 

*conteúdo produzido pelos alunos do 2º semestre de jornalismo para a disciplina fotojornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *